Angola – Massacre segundo Igreja Católica angolana: alerta às autoridades

0
75
Hoje (01/2) no bairro de Cafundo, em Luanda Norte (Angola), alguns bispos da igreja católica local denunciaram um, segundo eles, “grave massacre” de manifestantes do Movimento do Protetorado Português da Lunda Tchokwe (MPPLT).

Hoje (01/2) no bairro de Cafundo, em Luanda Norte (Angola), alguns bispos da igreja católica local denunciaram um, segundo eles, “grave massacre” de manifestantes do Movimento do Protetorado Português da Lunda Tchokwe (MPPLT).

Vários bispos católicos angolanos denunciaram pelas redes sociais, as mortes de vários manifestantes pela polícia. Os bispos que moveram a denúncia em forma de manifestação, integram a Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST).

Segundo as autoridades policiais de Luanda, seis manifestantes foram mortos por tentativa de invasão de uma esquadra no Cafunfo. Porém o MPPLT afirma que essa versão não é verdadeira e acusa as forças angolanas de promoverem disparos à esmo contra a população desarmada, resultando 15 mortos e dez feridos.

José Manuel Imbamba, o arcebispo de Saurimo, já tendo atuado como bispo na diocese em Cafunfo, postou em seu perfil no Facebook um “desabafo em voz alta”, criticando o derramamento de sangue e questionou a necessidade de “tanta violência e desumanidade”.

“Os problemas sociais, de miséria, exclusão e analfabetismo são mais do que evidentes nesta região leste. Em vez da política dos músculos, não seria mais sensato cultivarmos a política do diálogo para juntos resolvermos e vencermos as assimetrias sociais gritantes tão notórias?”, questionou o arcebispo.

Estanislau Marques Chindekasse, bispo do Dundo, teceu críticas severas à violência e lembrou que o protesto é resultado de questões muito complexas que não se resolverão da noite para o dia. O bispo ainda atenta para os problemas da região do leste de Angola, “é muito mais complexa” e uma manifestação “não se resolve com violência nem de uma parte nem da outra”.

O comandante geral da polícia nacional angolana, Paulo de Almeida, esteve na região neste domingo, e prometeu investigar rigorosamente todo o caso e irá chegar aos responsáveis.

Receba atualizações por e-mail!

Cadastre-se agora e receba um e-mail assim que for publicado um novo conteúdo.

Nunca enviamos SPAM. Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui