Brasil: 200 anos de (in)dependência, para quem?

0
496

No dia 7 de setembro, às margens do Ipiranga, o grito de Independência declarou o rompimento, de vez, do Brasil com a Coroa Portuguesa e a data passou oficialmente a compor o calendário brasileiro como um marco cívico, o dia de ser patriota, de cantar o hino nacional e de assistir ou ir ao desfile militar.

Em contraponto aos atos comemorativos dos padrões vigentes de independência, que não atendem a maioria dos brasileiros, surge, no ano de 1995, o Primeiro Grito dos Excluídos, inspirado na Campanha da Fraternidade que trazia como tema “A fraternidade e os excluídos”. No ano seguinte, a 34ª Assembleia Geral da CNBB assume que “o Grito dos Excluídos será celebrado anualmente, em nível nacional, no dia 7 de setembro”. 

Corajosamente vamos denunciar a ganância do projeto neoliberal

As manifestações do Grito dos Excluídos são uma construção coletiva de movimentos sociais, entidades e igrejas. Todos comprometidos com as causas dos que, à margem da sociedade, estão com fome, sem moradia, sem saúde, com poucas possibilidades de renda e são, cotidianamente, esquecidos e desrespeitados.

:: Receba notícias de Minas Gerais no seu Whatsapp. Clique aqui ::

E por acreditarem na liberdade de expressão e na ação política, o Grito dos Excluídos é um clamor que leva mulheres e homens às ruas em defesa dos direitos humanos. É marca histórica do Grito, desde seu início, a defesa da democracia e da soberania dos povos!

E, no ano do bicentenário da independência, não podemos admitir que, ainda sejamos colonizados e doutrinados por homens insensatos, covardes, que dão o tom da nossa política, da nossa fé. No modelo de Brasil governado pelas elites, estão milhares de brasileiros excluídos, esquecidos sem políticas públicas e vivendo na extrema pobreza.  

:: Leia mais notícias do Brasil de Fato MG. Clique aqui ::

Para protestar contra essa realidade de exclusão, convidamos todos e todas a acompanhar a marcha do 28º Grito dos Excluídos e das Excluídas que ocorre em todo Brasil. Em Belo Horizonte a marchar percorrerá as ruas do bairro Lagoinha, terminando na ocupação de simbólico nome Pátria Livre.  

Corajosamente vamos denunciar a ganância do projeto neoliberal que assola nosso país e reunir forças políticas para construir um projeto de “vida em primeiro lugar”, possibilitando às classes populares a oportunidade de viver uma pátria livre e democrática.

Augusto Matias é doutor em Teologia pela  FAJE e mestre em Ciências Sociais pela PUC Minas

Este é um artigo de opinião. A visão do autor não necessariamente expressa a linha editorial do Brasil de Fato

Fonte: BdF Minas Gerais

Edição: Elis Almeida

Receba atualizações por e-mail!

Cadastre-se agora e receba um e-mail assim que for publicado um novo conteúdo.

Nunca enviamos SPAM. Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui