Candidatos do PT são ameaçados com arma de fogo em Goiânia

0
544

A candidata a deputada federal Adriana Accorsi e o candidato a deputado estadual Mauro Rubem, ambos do PT em Goiás, foram alvos de intimidação durante uma ação de panfletagem na Feira da Vila Redenção, em Goiânia, na manhã deste domingo (4). 

De acordo com a assessoria de imprensa de Accorsi, a candidata, Rubem e a equipe que estava no local foram surpreendidos por um homem que, além de insultá-los, teria feito críticas contra Luiz Inácio Lula da Silva (PT), candidato à Presidência, e se manifestado de maneira favorável ao presidente Jair Bolsonaro (PL), que concorre à reeleição. 

A assessoria confirmou que o homem teria chamado os integrantes da equipe de “vagabundos” e tentou expulsá-los do local. Na sequência, ele teria apontado uma arma de fogo em direção aos petistas. Neste momento, a Polícia Militar foi acionada e, em seguida, um boletim de ocorrência foi registrado. Segundo a assessoria, o homem fugiu do local antes de a PM chegar. 

::Pesquisa aponta partidos políticos como ambientes hostis às mulheres::

Para Accorsi, não é o primeiro episódio de violência política. No começo de agosto, a deputada estadual e sua família sofreram ameaças de morte pela internet. Em uma de suas publicações, um homem, cujo perfil tem uma foto ao lado de Jair Bolsonaro, escreveu: “quero saber o dia do seu velório”.  

Antes, em novembro de 2020, a deputada recebeu mensagens como “Eu sei que você não tem treinamento tático e sua família é fácil ser encontrada” e “Comunista, já comprou caixão da Verônica e da Helena?”, referindo-se às filhas da deputada, chegaram até Accorsi.  

Na ocasião, a parlamentar notificou a Ouvidoria da Mulher do Tribunal Regional Eleitoral de Goiás (TRE-GO) e a Polícia Civil. Á época, a polícia informou que a ocorrência foi registrada e que a Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Cibernéticos (DERCC) “acompanha o caso e investiga autoria e circunstâncias do crime”. Este caso que está prestes a completar dois anos terá um julgamento final no próximo mês. 

::Mais da metade das brasileiras já sofreram algum tipo de violência política, segundo pesquisa::

O Brasil de Fato entrou em contato com a Secretaria de Segurança Pública de Goiás para saber quais medidas foram tomadas diante do ocorrido deste domingo. Mas, até o momento, não houve retorno. 

Violência política 

O caso de violência política contra Accorsi e Rubem não é um evento isolado. Um levantamento produzido pela UniRio mostrou que os casos de violência política aumentaram 335% no Brasil no primeiro semestre deste ano em relação ao mesmo período de 2019. Foram 214 registros do tipo entre janeiro e junho de 2022 e 47 casos nos mesmos meses em 2019. 

Entre as ameaças registradas pelo Observatório da Violência Política e Eleitoral da universidade, estão ameaças, homicídios, atentados, homicídios de familiares, sequestros e sequestro de familiares de lideranças políticas. 

Um dos casos mais marcantes foi o assassinato do guarda municipal Marcelo Arruda, tesoureiro do PT em Foz do Iguaçu (PR). Ele foi morto a tiros pelo agente penal José da Rocha Guaranho, que é explícito apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL), como deixa claro em suas redes sociais. 

Edição: Rodrigo Durão Coelho

Receba atualizações por e-mail!

Cadastre-se agora e receba um e-mail assim que for publicado um novo conteúdo.

Nunca enviamos SPAM. Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui