Escalada autoritária: Bia Kicis repreende críticos de Bolsonaro na CCJ, vídeo

0
139
Segundo aliados de Bia Kicis (PSL-DF), a indicação da deputada para presidir a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que já estava difícil, se complicou ainda mais com a prisão de Daniel Silveira (PSL-RJ).
Foto: Sérgio Lima / PODER 360

Nesta quarta-feira (24), a presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara e aliada de Bolsonaro, a deputada Bia Kicis (PSL-DF) repreendeu a fala de opositores ao presidente. Os deputados da oposição chamaram Bolsonaro de genocida por conta da pandemia de covid-19.

O deputado do PT,  Paulo Teixeira (SP), reclamou por ter sido interrompido na semana passada ao chamar o presidente de genocida. Teixeira então explicou que “genocida era aquele que mata muita gente em pouco tempo”. “E o presidente da República é um genocida”, disse.

A esta fala, Kicis reagiu afirmando que nenhum deputado pode se referir “de forma descortês ou injuriosa” a membros do Poder Legislativo ou a autoridades dos demais poderes da República.

Ainda, a bolsonarista ameaçou Teixeira ao afirmar que considerava sua fala uma calúnia: “Eu considero que chamar o presidente Bolsonaro de genocida é uma calúnia, e eu estou advertindo”. “Esse regimento impõe que o parlamentar se atenha ao tema de debate. Eu não tenho feito (sic) esse tipo de rigor, tenho deixado a palavra”, concluiu.

A deputada Erika Kokay (PT-DF) reagiu à fala de Kicis, apontando que esta não é a postura de quem preside a mesa. Veja vídeo da resposta da deputada a Kicis:

 

Receba atualizações por e-mail!

Cadastre-se agora e receba um e-mail assim que for publicado um novo conteúdo.

Nunca enviamos SPAM. Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui