Justiça Eleitoral do RJ forma maioria para barrar

0
556

O Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) formou maioria de cinco votos a dois, na tarde desta sexta-feira (2), para cassar a candidatura do deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ) ao Senado. Eles seguiram o entendimento da procuradora regional eleitoral Neide Cardoso de Oliveira, para quem o indulto concedido pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) não anula a inelegibilidade de Silveira. 

O julgamento, porém, só deverá ser concluído na semana que vem, já que o desembargador Tiago Santos pediu mais tempo para analisar o caso. A próxima sessão terá também o voto da desembargadora Kátia Junqueira.

Leia mais: Ataque de Daniel Silveira a ministro do STF pode configurar crime contra a honra, diz advogada

Na manifestação do Ministério Público Eleitoral, no último dia 16, ao TRE-RJ, a Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) ressaltou que o Supremo Tribunal Federal (STF) condenou Silveira a mais de oito anos de prisão e à perda do mandato por coação em processo e incitar a tentativa de impedir o livre exercício de poderes da União. O STF ainda suspendeu seus direitos políticos.

“O aludido decreto presidencial [do indulto] tem se sujeitado a muita controvérsia, no âmbito acadêmico e político. Entretanto, o que não é controverso, muito pelo contrário, e sedimentado pela jurisprudência pátria, não é de hoje, é que o indulto não alcança os efeitos secundários da pena ou extrapenais, fruto de decisão condenatória, no caso, do Supremo Tribunal Federal, por incitar a prática do crime de tentar impedir o livre exercício de qualquer dos poderes da União e coação no curso do processo”, afirma a procuradora regional eleitoral.

Leia também: Após quatro anos, Museu Nacional reinaugura fachada destruída por incêndio

Silveira foi preso em fevereiro do ano passado por decisão do ministro Alexandre de Moraes, do STF, após publicar vídeo com agressões ao Supremo e apologias ao Ato Institucional nº 5 (AI-5), principal instrumento de repressão da ditadura civil-militar no Brasil.

Em novembro, ele teve a prisão revogada por Moraes. A decisão definiu que o deputado deveria cumprir duas medidas cautelares: não ter contato com investigados do inquérito das Fake News e não frequentar qualquer rede social pelo seu próprio nome ou de terceiros. 

Em abril deste ano, Daniel Silveira foi condenado pelo STF por crimes contra o Estado Democrático de Direito. A maioria da Corte votou pela condenação do parlamentar a oito anos e nove meses de prisão, a perda do mandato e dos direitos políticos. Mas no dia seguinte, Jair Bolsonaro concedeu a graça constitucional, ou seja, o perdão da pena a Silveira.

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Eduardo Miranda

Receba atualizações por e-mail!

Cadastre-se agora e receba um e-mail assim que for publicado um novo conteúdo.

Nunca enviamos SPAM. Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui