Militares farão contagem paralela dos votos, Marina Silva

0
530

As Forças Armadas farão uma contagem de votos paralela à apuração do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) durante as eleições deste ano. No total, os militares enviarão fotos do QR Code de 385 boletins de urnas eletrônicas para o Comando de Defesa Cibernética do Exército, em Brasília, que fará a contagem dos votos. De acordo com os militares, a quantidade de 385 urnas garantirá um índice de confiança no resultado de 95%.

A iniciativa, inédita no país desde a redemocratização, é fruto de um acordo com o presidente do TSE, o ministro Alexandre de Moraes. Em 31 de agosto, o magistrado liberou os arquivos brutos da totalização dos votos que são enviados pelos tribunais regionais às entidades fiscalizadoras. Com isso, os militares terão acesso às informações antes mesmo da contagem chegar ao TSE.



Bolsonaro e Michele no discurso após desfile militar do Bicentenário da Independência, na capital federal / Reprodução/YouTube

A medida também se soma ao clima de animosidade criado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), que vem lançando dúvidas sobre o processo eleitoral brasileiro. Em recente entrevista à Jovem Pan, o mandatário afirmou que, caso as sugestões das Forças Armadas sejam acolhidas pelo TSE, as possibilidades de fraude serão reduzidas a próximo de zero. Uma das sugestões é a alteração do teste de integridade das urnas.

:: Combate às fake news: entenda como denunciar desinformação sobre as eleições ao TSE ::

“Próximo de zero não é zero. O que nós queremos não são eleições limpas?”, disse o presidente. “Esse clima de animosidade poderia ter sido resolvido há muito tempo, se o ministro [Luís Roberto] Barroso, [ex-presidente do TSE,] não fosse para dentro da Câmara dos Deputados interferir diretamente numa Proposta de Emenda à Constituição que estava sendo votada e falava do voto impresso”, complementou.

Marina Silva fecha apoio a Lula  

A ex-ministra do Meio Ambiente de candidata a deputada federal por São Paulo, Marina Silva (Rede), firmou apoio ao presidenciável Luiz Inácio Lula da Silva (PT), após encontro entre ambos neste domingo (11).

“Hoje, a meu convite, depois de muitos anos, reencontrei com Marina Silva. Relembramos da nossa história, desde quando nos conhecemos. Conversamos por duas horas e ela me apresentou propostas para um Brasil mais sustentável, mais justo e que volte a proteger o meio ambiente”, escreveu o ex-presidente em suas redes sociais.



Lula e Marina Silva em encontro em São Paulo / Reprodução

O encontro deste domingo foi a primeira reunião formal desde que Marina Silva rompeu com o PT. Ela deixou o governo em 2008 e defendeu que as pautas do meio ambiente não eram prioridade no governo petista. O afastamento ficou mais evidente durante as eleições de 2014, quando a ex-ministra apoiou o Aécio Neves (PSDB) no segundo turno contra Dilma Rousseff (PT).

Gabriel Monteiro renuncia candidatura à Câmara 

O vereador cassado do Rio de Janeiro Gabriel Monteiro (PL) desistiu, neste sábado (10), de sua candidatura a deputado federal. A decisão ocorreu dias após o Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) barrar a candidatura de Monteiro.

Já a decisão do TRE se deu em resposta a um pedido de impugnação feito pelo deputado federal André Barros (PSOL-RJ), com base no processo na Câmara Municipal do Rio que levou à cassação de Monteiro.



Vereador Gabriel Monteiro, do PL, já é réu na Justiça do Rio por assédio sexual e importunação / Câmara do Rio/Divulgação

Em 18 de agosto, a Câmara do Rio cassou o mandato de Gabriel Monteiro por quebra de decoro e ética. De acordo com o relatório produzido pelo vereador Chico Alencar (PSOL), Monteiro é acusado de: 1) filmagem e armazenamento de vídeo de relação sexual do vereador com adolescente de 15 anos de idade; 2) exposição vexatória de criança em vídeo de rede social para promoção pessoal; 3) exposição, abuso e violência física de um homem em situação de rua para simular crime de roubo; 4) assédio moral e sexual contra assessores; 5) perseguição a outros parlamentares da Casa; 6) uso de servidores de seu gabinete para atuação em empresa privada e (7) denúncias de estupro de quatro mulheres.

Cláudio Castro escolhe Thiago Pampolha como candidato a vice 

O governador do Rio de Janeiro e candidato à reeleição, Cláudio Castro (PL), escolheu o deputado estadual Thiago Pampolha (União Brasil) como o candidato à vice-governador em sua chapa para substituir o Washington Reis (MDB).

:: Operação da PF no Rio de Janeiro apreende fuzil na casa de Washington Reis, vice de Castro ::

Em 6 de setembro, o Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) rejeitou por unanimidade o registro da candidatura de Reis para o cargo de vice-governador. Isso porque o STF condenou Reis por crimes contra o meio ambiente e de irregularidade administrativa praticados enquanto era prefeito de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. A decisão tornou o político inelegível por oito anos.



Thiago Pampolha e Cláudio Castro / Divulgação

Nas redes sociais, Castro agradeceu a Reis e comunicou o novo nome. “A coligação agradece o trabalho de Washington Reis, que contribuiu para a campanha de Cláudio Castro com sua experiência de mais de 20 anos de vida pública”, disse.

“Thiago Pampolha está em seu terceiro mandato como deputado e foi autor de leis em prol do meio ambiente, educação, geração de emprego, acessibilidade, cultura e esporte. No Governo do Rio de Janeiro, ocupou os cargos de secretário de Esporte, em 2017, e do Ambiente e Sustentabilidade, em 2020”, concluiu.

Edição: Nicolau Soares

Receba atualizações por e-mail!

Cadastre-se agora e receba um e-mail assim que for publicado um novo conteúdo.

Nunca enviamos SPAM. Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui