No Dia dos Pais, viúva lamenta morte de Marcelo Arruda:

0
18

O Dia do Pais, celebrado em todo país neste domingo (14), foi motivo de dor e saudade para familiares do guarda municipal Marcelo Arruda, assassinado no último 9 de julho enquanto comemorava seu aniversário de 50 anos em Foz do Iguaçu, região oeste do Paraná.

Com intuito de amenizar a dor da ausência e também reforçar a pressão social por Justiça e Paz, parentes e amigos da vítima reuniram-se na Igreja Nossa Senhora de Guadalupe para homenagear a memória de Arruda. Em um dos muitos cartazes empunhados pelos manifestantes presentes no ato, destaque ao sustentado por Pâmela Silva, viúva de Arruda, com o apoio de dois dos seus quatro filhos. “1º Dia dos Pais sem nosso pai”.

Leia também: Justiça revoga prisão domiciliar de bolsonarista que assassinou Marcelo Arruda em Foz do Iguaçu

“Foi um ato dedicado aos filhos do Marcelo que passaram o primeiro dia dos pais sem o pai. Queremos demonstrar que a violência alimentada pelo ódio resulta em muita dor. Além de continuarmos pedindo Justiça. Afinal, na esfera jurídica o processo apenas começou”, destacou Pâmela ao mencionar a situação do processo movido contra o responsável pela tragédia, o policial penal bolsonarista Jorge Guaranho.

Após uma série idas e vindas entre decisões judiciais em razão da aparente omissão do Governo do Paraná ao não assegurar a custódia do réu indiciado por homicídio duplamente qualificado, o assassino terminou sendo encaminhado, na última sexta-feira (12), para cumprir prisão preventiva no Complexo Médico Penal, em Pinhais. A decisão foi alvo de críticas por parte de advogados de defesa de Guaranho. Por meio de nota, a defesa chegou a definir a prisão preventiva do denunciado como ilegal e desumana.

Para a viúva, desumano é “matar um um pai de família”. “Há dois pontos de vista. Temos aí a questão jurídica, ele como preso tem seus direitos e deveres, porém, falar em desumano para nós é nos remeter ao dia do fato, em que o assassino desconsiderou totalmente a questão humanitária quando decidiu atentar contra a vida do Marcelo e dos nossos convidados na festa”, desabafou Pâmela.



“Queremos demonstrar que a violência alimentada pelo ódio resulta em muita dor”, disse Pâmela Silva, viúva de Marcelo / Foto: @moskow

Ordem pública

A defesa de Guaranho chegou a entrar com recurso junto ao Tribunal de Justiça do Paraná para que o réu voltasse a ser mantido em prisão domiciliar. Entretanto, por decisão do desembargador Xisto Pereira, o pedido foi negado. Em seu despacho, o magistrado destacou que o assassinato político gerou grande repercussão nacional e que, diante disso, restaria justificada sua prisão preventiva para manutenção da ordem pública.

“A intolerância, motivada por exagerada paixão, não pode ser aceita e deve ser coibida pelo Poder Judiciário, tendo em vista as eleições que se avizinham e o conturbado panorama do atual processo eleitoral, sob pena de consequente sensação de impunidade, que poderá gerar novos conflitos entre pessoas com diferentes preferências político-partidárias”, sustentou o desembargador. Jorge Guaranho permanece detido preventivamente no Complexo Médico Penal.

Fonte: BdF Paraná

Edição: Lia Bianchini

Receba atualizações por e-mail!

Cadastre-se agora e receba um e-mail assim que for publicado um novo conteúdo.

Nunca enviamos SPAM. Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui